Você sabe para onde vão os resíduos da CASACOR Minas?

Você sabe para onde vão os resíduos da CASACOR Minas?

Depois de 13 edições ocupando imóveis tombados, a 23ª edição da CASACOR Minas volta a acontecer em uma edificação que é patrimônio cultural. E o que isso muda? Um bem tombado possui regras de prevenção que devem ser respeitadas para que as intervenções realizadas nos ambientes não afetem a integridade das construções originais, a fim de não desconfigurar ou perder a autenticidade genuína da casa.

Uma mostra como a CASACOR numa edificação tombada começa diferente. A primeira etapa é realizar a preparação do espaço, submetendo o imóvel a reformas de higienização dos seus compartimentos internos para que possam, depois, receber a modernização estética através do talento de arquitetos, designers de interiores e paisagistas.

A preparação já foi concluída: foram feitas as remoções de armários, divisórias e forros. Os pisos da varanda, que não eram originais, foram demolidos e estão sendo substituídos por ladrilhos réplicas do original. Os banheiros também foram demolidos e serão construídos novos, obra que a CASACOR deixará de legado. Todo esse trabalho foi cuidadosamente desenvolvido pela Detronic, empresa que há anos é parceira da mostra. E é aí que muita gente se pergunta: para onde vai todo esse resíduo gerado nessa fase de preparação?

Através de uma parceria com a Aterra Ambiental, seguimos rumo a uma mostra 100% sustentável na qual nada é descartado. Tudo pode ser reaproveitado, reutilizado e reciclado. Como? Todo e qualquer resíduo gerado antes, durante e depois da mostra, passará por uma gestão estratégica que dará o melhor fim para o mesmo. Tudo que poderia ser lixo será encaminhado para outras iniciativas nas quais os nossos “restos” serão transformados em matéria-prima. Reduzindo assim, o volume do que se descarta e dando a esses resíduos um novo significado.

Além de minimizar os impactos ambientais, esse tipo de atitude também contribui para reduzir custos durante uma obra. Incrível, não é?

Veja abaixo algumas práticas que serão realizadas durante o evento:

FASE 1 | Demolição e Descomissionamento [concluído]
levantamento e quantificação dos resíduos, programação de um destino adequado para cada um;

FASE 2 | Montagem  [em andamento]
gestão dos resíduos utilizados durante a montagem do evento;  

FASE 3 | Evento [previsto para o período de 12 de agosto a 17 de setembro]
estudo dos materiais em cada ambiente; incluindo a cozinha e restaurante.

FASE 4 | Desmontagem [previsto para acontecer após o encerramento da mostra]
triagem e mapeamento dos resíduos gerados durante desmontagem dos espaços;  

Só na primeira fase foram retirados 128m³ de resíduos, e todos tiveram uma destinação final adequada. Confira:

_ 39m³ de madeira foram doados para a J&E Reciclagem.

_ 9m³ de lã de vidro provenientes de forros foram doados para o projeto social Seu Vizinho, localizado no Aglomerado da Serra e também serviram para a utilização da montagem de um sistema de isolamento acústico realizado pela Optpower.

_ 24m³ de alumínio e ferro, provenientes dos forros, divisórias, eletrocalhas e luminárias foram destinados para reciclagem na empresa Koprum.

_ 48m³ de entulho foram enviados para o aterro sanitário.

Continue de olho no nosso blog para acompanhar o trabalho feito durante as próximas fases e surpreenda-se em como uma reforma ou construção pode ser sustentável e ao mesmo tempo econômica.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notificar a
wpDiscuz