CASACOR São Paulo 2017

CASACOR São Paulo 2017

Com 69 ambientes em 15.673 m², a CASACOR São Paulo abre hoje para visitação. O tema proposta para arquitetos, designers de interiores e paisagistas é Foco no Essencial. Os espaços variam entre casas, lofts, lounges, salas, banheiros, estúdios, apartamentos e jardins, além da Casa do Chef, onde acontecerão eventos, workshops e encontros voltados à gastronomia.

Ao longo do percurso, dá pra perceber que a busca do essencial foi traduzida nos materiais sem artifícios e nas linhas retas e curvas que dispensam qualquer excesso. Os ambientes exibem a beleza das pedras naturais, das madeiras e do concreto. Várias estruturas simplificam a montagem, economizando tempo e recursos.

A cartela de cores mistura o preto, o greenery e outros verdes, o rosa seco e matizes de azul que trazem um quê de décadas passadas. Aliás, o estilo art déco, que define a arquitetura do Jockey Club – edifício que abriga a mostra, também é celebrado nos grafismos e nos detalhes metalizados em bronze e dourado que o olhar vai encontrar pelo caminho.

A equipe do blog visitou a mostra e resume em 10 projetos, porque vale a pena a visita!

1. Alex Hanazaki, Jardim Deca. (Yuri Serodio/CASACOR)

Produtos da Deca foram ressignificados e viram elementos esculturais, como chuveiros que se tornam cascatas. Vinte oliveiras adultas sombreiam o espaço, emoldurado por espelhos d’água com seixos importados da Indonésia.

2. Alexandre Dal Fabro, Garagem de Estar Renault.  (Yuri Serodio/CASACOR)

A partir de uma leve estrutura metálica, o projeto se define e vem marcado por planos lineares e grandes panos de vidro que integram o jardim ao espaço. Tons neutros iluminam a sala, pontuada por peças como a poltrona Butterfly, de Antoni Bonet, Juan Kurchan e Jorge Ferrari-Hardoy.

3. Barbara Jalles, Living Interativo. (Evelyn Muller/CASACOR)

A paginação em espinha de peixe comum nos pisos, invade as paredes. Outro destaque é o mármore, exibido na bancada e no grande painel. Em 67 m², a proposta é um ambiente que pode ser uma biblioteca, um bar, um local para receber ou trabalhar.

4. Gustavo Neves, Suíte Black. (Denilson Machado/CASACOR)

Tons de preto e cinza comandam o ambiente nada comum. A alma é de metrópole – que o digam o estuque aparente e as paredes descascadas. Peças exclusivas dão personalidade, como a cama desenhada pelo próprio Gustavo, executada em madeira com tratamento de carbonização.

5. Leo Romano, Casa Brasil.  (Salvador Cordaro/CASACOR)

Ripas de madeira pinus suspensas por barbantes emolduram a sala de jantar, que guarda traços dos desenhos infantis e certa simplicidade oriental. As cadeiras Lucio, de Sergio Rodrigues, são uma declaração à brasilidade. Sobre a mesa em vidro de Jacqueline Terpins, cúpulas em resina transparente com moedas de todo o mundo abordam a ganância do homem, criadas com a artista Iêda Jardim.

6. Leo Shehtman, Casa Grafismo.  (Renato Navarro/CASACOR)

Contraste no piso em porcelanato e forro pretos com mobília na cor branca. O papel de parede artesanal remete à op art na repetição de bolinhas, como nas obras de Yayoi Kusama. Outros artistas referenciados são Mondrian e Rietveld, na disposição dos vidros texturizados da fachada.

7. Sandra Moura, Estúdio do Artista. (Salvador Cordaro/CASACOR)

O espaço é a residência artística de José Rufino. Uma grande estrutura metálica vazada percorre os 100 m² e funciona como estante, vitrine e até cabide. A foto da Mata Atlântica cobre toda a parede e, como uma janela, revela a vista do ateliê do artista plástico na Paraíba.

8. SP Estudio, Quarto de Bebê. (Marco Antonio/CASACOR)

Neste quarto nada convencional, Fabiana Silveira e Patricia de Palma valorizam o trabalho de pequenos artistas e artesãos brasileiros. Bons exemplos são o berço suspenso em macramê e o painel de folhagem pintado por Adriana Mantô. De um lado, a parede com textura rústica traz a delicadeza das candy colours; do outro, o pórtico em madeira abriga a cama de apoio.

9. Yamagata Arquitetura, CASA Miwa. (Denilson Machado/CASACOR)

Linhas retas e traços arquitetônicos marcados se unem a tons profundos e densos. Aqui o destaque é a estante com pequenos nichos, que abrem e fecham por portinhas que se encaixam, para guardar coleções e objetos afetivos. A palavra japonesa Miwa refere-se ao jardim da casa, projetado em parceria com Alex Hanazaki.

10. Todos Arquitetura, Estúdio do Nômade. (Evelyn Muller/CASACOR)

Assim como seu ocupante, o espaço também guarda móveis que podem mudar de lugar a qualquer momento. Esse novo jeito de morar pede ambientes flexíveis, para várias atividades, com mesinhas, banquetas e objetos de pequenas dimensões que assumem várias funções, segundo o arquiteto Maurício Arruda e os profissionais da Todos Arquitetura.

SERVIÇO

Período: de 23 de maio a 23 de julho
Horário: Terça a domingo, das 12h às 21h
Local: Jockey Club de São Paulo
Endereço: Avenida Lineu de Paula Machado, nº 1075 – Cidade Jardim

Ingressos:
De terça a quinta-feira
Ingresso inteiro: R$ 56
Meia entrada: R$ 28

Sexta, sábado, domingo e feriados
Ingresso inteiro: R$ 70
Meia entrada: R$ 35
Passaporte único: R$ 165
Valet: R$ 35,00

Mais informações: www.casacor.com

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notificar a
wpDiscuz